Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sempre disse que este executivo deveria ter feito, no início do mandato, uma auditoria total à Câmara Municipal de Gaia, ou por outro lado, apoiar-se em Luís Filipe Menezes, anterior presidente, no conhecimento pormenorizado dos dossiers pendentes.

Nem fez uma coisa nem outra, deste modo, Gaia continua a ser notícia, pelas piores razões.

Deveria ter arrumado a casa, procurar resolver estes assuntos fora dos holofotes mediáticos, para o bom nome de Gaia e não procurar, passados mais de dois anos de chefia, continuar a queimar Luís Filipe Menezes em lume brando.

A Câmara de Gaia foi condenada a pagar 13,8 milhões de euros por incumprimento do acordo de cedência de terrenos usados para a construção da VL9, actual Avenida de D. João II, firmado há 13 anos.

A sentença da acção executiva do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto não é passível de recurso e finda um processo em litígio judicial há mais de 10 anos.

Ao ler as declarações deste executivo da Câmara de Gaia, as culpas são totalmente de Luís Filipe Menezes. Todavia como cidadão que procura ser isento e independente li no Facebook de Luís Filipe Menezes sobre um livro que vai publicar, em breve, um pequeno excerto em que fala dos seus vereadores. A páginas tantas, diz de Eduardo Vítor Rodrigues:

“Vítor Rodrigues – 4 anos – fez uma oposição construtiva. Razoável autarca de freguesia. Votou 4 anos favoravelmente praticamente tudo que havia para votar. Foi o maior apoiante das minhas políticas entre os candidatos à Câmara”.

Isto deixa-me a pensar! Por outro lado, vivo em Gaia há mais de 30 anos, nunca vi ou li na altura, o PS levantar-se contra a VL9 ou outro qualquer empreendimento.

Não é preciso ser nenhum prémio Nobel, nem sequer economista, para saber que as plantas crescem mais quando são regadas, do que quando se restringe a água.

Em Gaia há muita litigância e má-fé. A dívida de Gaia é algo contida e que pode ser paga. Esta sentença, mantém afastada a necessidade de recorrer ao Fundo de Apoio Municipal.

Gaia ficou fora dos rácios que obrigaram dezenas de outras câmaras a aderirem coercivamente a um resgate financeiro, apresenta uma conta de gerência de 2014 onde a dívida é das mais baixasper capita do país. Isso deve-se à gestão do actual executivo, mas verdade seja dita, já se tinha iniciado no último mandato de Luís Filipe Menezes em que havia um assinalável volume de investimento.

Todavia este executivo sabia destes assuntos pendentes: VL9, Cimpor, etc.. Mas continuou a financiar Marés Vivas, Motonáutica, incorporou a Gaianima, e ainda atribuiu um milhão de euros em subsídios a associações e clubes. Ao mesmo tempo, inaugurou o Areinho de Oliveira do Douro com uma festa sumptuosa e cara.

Pelo que me apercebo só tem inaugurado obras do anterior executivo: piscina de Pedroso; pavilhão das Pedras; viaduto do Centro Histórico e obras de Vila D’ Este.

Acho importante o que foi feito em Gaia: o saneamento; 4000 casas para os mais pobres; vias estruturantes, da costa de mar, da frente ribeirinha; dos equipamentos desportivos, do novo parque escolar; etc. Há dívida mas há obra, mas há quem tenha dívida e não tenha obra.

Apercebo-me que o actual presidente não aceita muito bem as críticas. Mas é importante estar atento e estar informado da realidade que por vezes não é dócil. Quando se assume um cargo político herda-se o que é bom, mas também o que é mau.

Por vezes, o poder torna as pessoas surdas, e de seguida, a aparição de mal-entendidos.

Mas é importante perceber que Luís Filipe Menezes is apparently still dead – but for some not dead enough [Menezes está aparentemente morto, mas não o suficiente para alguns].
 
JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

comentários

comentários

Mensagens




Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031