Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

A tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa contrasta com a descrição e simplicidade da sua campanha , assim como, dos seus gastos. Três dias para a tomada de posse é demais num país com vários défices . Défice de pobreza, défice de boa governança, défice de dinheiro, etc.

A  tomada posse  é no dia 9 , quarta-feira. De manhã, vai ao  Parlamento segue-se  a cerimónia de juramento e o seu discurso. Almoça no Palácio de Belém com várias personalidades . Às 18h assiste a uma missa e ainda tem tempo para condecorar Cavaco Silva ( a que propósito ? E neste dia?).


À noite  um concerto dedicado à juventude que contará com a presença de Anselmo Ralph, HMB, Diogo Piçarra, Mariza, Paulo de Carvalho, José Cid e Pedro Abrunhosa. 


Hoje saiu uma noticia que a tomada de posse se prolonga pelo Porto. Acho muito bem. Já agora porque não vem a Gaia ? O melhor seria visitar todas as cidades do país.


Esta tomada de posse é  excessiva . Três dias para uma tomada de posse de um PR é um exagero. Quanto vai custar tudo isto? Talvez para um Rei ou um pais rico. Infelizmente não é o nosso caso.


 A lista de convidados é enorme mas deveria ser o povo anónimo e não os habitués do poder e inner circle. Durante a campanha fugiu deles como o diabo da cruz e embrenhou-se com os cidadãos anónimos e muito bem.


Esta tomada de posse non stop, nada tem que ver com o Marcelo em campanha : simples; próximo; afectuoso; poupado. A tomada de posse é pomposa, protocolar e faustosa.


Acho que começa mal. Deveria reduzir ao mínimo a cerimónia e nesse dia começar logo a trabalhar e a inteirar-se dos dossiers.


JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

comentários

comentários

Mensagens




Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031