Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Estou cansado de campanha eleitoral, deste ruído constante de fundo. A informação noticiosa só passa candidatos, partidos, arruadas e comícios. O futebol é o único que consegue tirar protagonismo a esta algazarra constante. O resto não existe...

A culpa disto tudo é que a campanha propriamente dita começou a 20 de Setembro , mas antes, já há mesmo muito tempo, tínhamos os holofotes das eleições.

Eu por mim, já tinha sido o dia das eleições. Estou morto que cheguemos a domingo, ver o resultado e ganhar fôlego para o reacender da campanha presidencial.

Há tanta coisa importante para fazer do que aturar candidatos. O pior, é a sua intromissão, na rua, pela televisão adentro destas figuras que já cansam.

Estou cheio de eleições e campanha eleitoral. Enfastiado, farto, esgotado e plenamente satisfeito de tantas propostas. Estou cansado de os aturar e já não os posso ver. Já decidi o que vou fazer, ou não fazer, no domingo.

JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

 




As próximas eleições legislativas estão renhidas e podem dar uma vitória quer ao PSD/CDS quer ao PS. Tudo aponta para que não haja uma maioria suficiente para formar um governo estável e duradouro.
Quem vencer terá uma maioria que não deixará de ser minoritária . Um coisa é ter uma maioria absoluta , outra coisa, é ter uma maioria relativa que não permite a manutenção de um governo e o seu programa. A existência de duas maiorias similares pode levar ao bloqueio permanente e gerar uma situação de conflito e de crise latente.

Todavia também pode abrir caminho ao entendimento, uma vez que ambos os lados sabem até onde podem ir e que contar.

Depois do dia 4 de Outubro cada partido ou coligação contará os seus votos e redesenhará a sua estratégia em função dos resultados.

O Presidente da República está impedido pela Constituição de dissolver um governo nos últimos seis meses do seu mandato . Por outro lado , o próximo Presidente da República, eleito em Janeiro de 2016, está de igual modo, impedido de dissolver um governo nos primeiros seis meses do seu mandato.

Isto significa que Portugal pode ver-se obrigado a viver sem um governo em pleno das suas funções até Julho de 2016. Teremos um governo de gestão e Portugal viverá com um Orçamento de Estado em duodécimos.

Haverá um impasse, serguir-se-á o caos e todos os sacrifícios que fizemos durante estes quatro anos irão por água abaixo, depois de muito esforço, tudo foi em vão.

A maioria que se formar no dia das eleições pode muito bem ser uma maioria minoritária.

JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

 
 
 
Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores ( CdP), convidou Alberto João Jardim , antigo presidente do Governo Regional da Madeira, para estar presente dia 14 de Setembro , pelas 21h30, no Hotel Holiday inn em Gaia.
 Alberto João Jardim volta, de novo, ao CdP. Da primeira vez em 2009 escolheu falar sobre a “Refundação da República”, desta vez as presidenciais serão um assunto incontornável.  Em 2011 esteve para estar presente no Clube para apresentar um livro de Joaquim Jorge todavia um problema de saúde impossibilitou a sua presença.
 Pedro Santana Lopes  auto-excluiu-se  para as presidenciais, ficam como possíveis candidatos na área do PSD/CDS , Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio , Alberto João Jardim.
 
Alberto João Jardim é um possível candidato a Presidente  da República que tem quase tudo pronto para oficializar a sua candidatura. Apesar de ainda estar à procura de financiamento, já tem programa chama-se “ A Tomada da Bastilha” e mais de duas mil assinaturas . A lei obriga a 7500, mas Alberto João Jardim quer dez mil  para estar mais confortável, caso haja irregularidades na validação da candidatura pelo Tribunal Constitucional.
 
Alberto João Jardim é um dos políticos mais polémicos do actual regime em Portugal e coaduna-se com os princípios do CdP: ter por lema falar de uma forma aberta, sem manha, em liberdade, com espontaneidade, sem sujeito a condições, sem medo de se expor e ser politicamente incorrecto.
 
A rígida ortodoxia partidária, a total previsibilidade do actual debate político, impede o descobrimento de novos meios e ideias para obstar ao repto de termos um país melhor e capaz.
Será uma oportunidade para Alberto João Jardim  tomar a palavra e divulgar as suas ideias.
 O CdP vai continuar a ouvir possíveis candidatos às eleições presidenciais que se realizam em Janeiro de 2016 . Em Junho já teve oportunidade de ter presente Sampaio da Nóvoa , próximo do PS.

Antes da rentrée, este ciclo de 2015 iniciou-se com Sobrinho Simões,  Nova Medicina,Rui Rio, É preciso Reformar a Política? , Miguel Cadilhe, no  9.º aniversário, Sistema Político .  António Costa candidato a Primeiro-Ministro revelou algumas medidas do seu programa para Portugal, Joana Amaral Dias do Agir, Paula Teixeira da Cruz  na apresentação do livro de Joaquim Jorge  Pedagogia Cívica, Álvaro Beleza o rosto da oposição interna  no PS e o Ministro  Poiares Maduro no papel de gestor do Portugal 2020.
 
JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Pela primeira vez, ponderei muito bem, fiz uma reflexão profunda e consultei vários amigos e opiniões, ao escrever este artigo de opinião.
Tenho a noção do que escrevo no jornal Audiência, tem consequências, sempre para o bem de Gaia e nunca para atacar pessoalmente quem quer que seja. Política meus amigos, o resto passa-me ao lado. Todavia há gente em Gaia, essencialmente quem conduz os destinos desta cidade até Setembro de 2017 (depois vamos ver), convive mal com a crítica, o dissenso, a opinião diferente, por vezes, discordante e divergente.
Há já algum tempo, no início de 2015, fui informado de pressões para os meus artigos de opinião deixarem de ser publicados no jornal Audiência. Como sei que o jornal tem apoio da CM Gaia , informei o seu director Joaquim Ferreira Leite do que se estava a passar e que não queria que fosse prejudicado pelas minhas prosas. Respondeu-me que respeitava o que eu escrevia , umas vezes concordando outras vezes discordando, mas que a linha editorial do jornal apoia a liberdade de expressão e opinião. Que o jornal tinha gente do PS a escrever , gente do PSD e outros. Finalizou dizendo-me para não ligar a esse tipo de pressões.

Recentemente chegou-me informação fidedigna e de amigos no Ministério da Educação da tentativa de me prejudicar na minha actividade profissional docente. Fiquei estupefacto e nem me quero acreditar em tal coisa ! A ser verdade esta atitude persecutória e de perseguição a alguém ( Joaquim Jorge ) que pensa de maneira diferente no séc. XXI é inadmissível e pífia. O tempo da Inquisição já lá vai há muito tempo( Idade Média). Na prática, a Inquisição acabou por funcionar como instituição de apoio aos reis e ao clero, eliminando pessoas incómodas ao poder político e religioso. O fascismo , mais recente , em Portugal , já tem mais de 41 anos , o seu lema principal: “Tudo para o Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado”.
Todavia quero informar os senhores da CM Gaia que esse tempo acabou e que vivo num estado de Direito e democrático consagrado na nossa Constituição em que me é reconhecido o direito à identidade pessoal, ao desenvolvimento da personalidade, à capacidade civil, à cidadania, ao bom nome e reputação, à imagem, à palavra, à reserva da intimidade da vida privada e familiar e à protecção legal contra quaisquer formas de discriminação.

Tenho o direito de exprimir e divulgar livremente o meu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de me informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações. O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.
Por outro lado , como cidadão tenho o direito de tomar parte na vida política e na direcção dos assuntos públicos do país, directamente ou por intermédio de representantes livremente eleitos. Pela minha parte, prefiro fazer cidadania e intervir na base da escrita, comentário e intervenção na imprensa.

Por fim, e não menos importante do que ser eleito, tenho o direito de ser esclarecido objectivamente sobre actos do Estado e demais entidades públicas e de ser informado pelo Governo e outras autoridades acerca da gestão dos assuntos públicos.
A privação da cidadania e as restrições à capacidade civil só podem efectuar-se nos casos e termos previstos na lei, não podendo ter como fundamento motivos políticos.

A lei garante-me direito à dignidade pessoal e estabelece garantias efectivas contra a obtenção e utilização abusivas, ou contrárias à dignidade humana, de informações relativas à minha pessoa.
Fazem parte dos mesmos direitos, liberdades e garantias , como trabalhador da função pública , a segurança no emprego , sendo proibidos os despedimentos sem justa causa ou por motivos políticos ou ideológicos.
Gostaria de alertar que as infracções cometidas no exercício destes direitos ficam submetidas aos princípios gerais de direito criminal ou do ilícito de mera ordenação social, sendo a sua apreciação respectivamente da competência dos tribunais judiciais ou de entidade administrativa independente, nos termos da lei. À minha pessoa é assegurado o direito a indemnização pelos danos sofridos.
O Estado e as demais entidades públicas são civilmente responsáveis, em forma solidária com os titulares dos seus órgãos, funcionários ou agentes, por acções ou omissões praticadas no exercício das suas funções e por causa desse exercício, de que resulte violação dos direitos, liberdades e garantias ou prejuízo para outrem.

Não me pediram, mas vou dar um conselho a quem conduz os destinos em Gaia. Façam o vosso trabalho e deixem-me em paz. É uma burrice e falta de visão hostilizar alguém que realiza em Gaia o Clube dos Pensadores , uma referência nacional trazendo os maiores vultos da sociedade portuguesa.

Luís Filipe Menezes tinha orgulho e sempre saudou a presença do Clube dos Pensadores em Gaia. O actual executivo, o seu presidente, a Assembleia Municipal parece que têm ciúmes do Clube dos Pensadores, do Joaquim Jorge, não querem aceitar nem dar o devido valor do seu protagonismo e relevância pela cidadania.

As pessoas que me informaram disseram-me que na CM Gaia usam uma frase típica de Gaia: «vamos fazer a folha a esse fulano (Joaquim Jorge), está sempre a criticar e a dizer mal. Vamos arrumar com ele».
Pois bem, vou dar um aviso solene, cuidado com quem se estão a meter. Perseguir, censurar e procurar arrumar alguém que não pensa como nós é inqualificável numa democracia e mostra o verdadeiro lado dessa gente - chué e pueril.

O pior é se em vez de cair a folha cai a árvore. Cada um que conclua como entender…

JJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

comentários

comentários

Mensagens



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930